Publicidade publicidade | Portal Evangélico

Ana Paula Valadão

avalia a igreja evangélica brasileira
Exibições: 7778 Comentários : 12

Na edição especial de aniversário, a Revista Comunhão entrevista um dos ícones da música gospel brasileira contemporânea: Ana Paula Valadão Bessa, pastora e uma das líderes do Ministério Diante Trono, de Minas Gerais.

Numa conversa tranquila e agradável, a pastora, que está morando atualmente nos Estados Unidos, confessa que seu coração está permanentemente ligado no Brasil e analisa a qualidade do crescimento do número de evangélicos na nação verde-amarela. Fala de louvor, de vocação e sobre o 13º álbum do seu ministério, intitulado "Aleluia", gravado no último dia 17 de julho, na Festa do Peão de Barretos, em São Paulo.

Estatísticas apontam que o Brasil caminha para se tornar uma nação de evangélicos. Avaliando a qualidade deste crescimento, acredita que a igreja evangélica está preparada para este momento?

O crescimento da Igreja Evangélica no Brasil é realidade. Há alguns anos, éramos uma minoria, até mesmo perseguida. Meu pai, como seminarista, foi missionário no interior de Minas Gerais. Ele conta como éramos vistos como "seres de outro planeta", como gente perigosa, e as pessoas demoravam a abrir suas casas, suas vidas, para relacionarem-se com um crente. Ele diz que algumas vezes o templo da Igreja foi apedrejado, e o que construíam de dia era destruído de noite.

Hoje não é bem assim. Ainda somos odiados pelo mundo, como o Senhor Jesus foi e disse que seríamos também. Mas conquistamos muito espaço na sociedade, nossas Igrejas são reconhecidas, temos cada dia mais espaço na mídia, e as pessoas estão mais abertas para algo novo, para romper até mesmo com as tradições por causa da Verdade, que é a pessoa de Jesus, e, não, um conceito acerca dEle. As pessoas estão recebendo a mensagem do evangelho com muito mais facilidade do que no passado, quando éramos, como evangélicos, vistos com muito preconceito.

Este crescimento dos evangélicos vem com muitas coisas boas, mas também traz seus problemas. São muitas igrejas independentes, que caminham sozinhas, fazendo o que querem, sem preparo teológico, que acabam marcando a vida das pessoas com erros pequenos e que, com alguma orientação, seriam evitados. Se conseguíssemos caminhar mais juntos, na essência que nos une, apesar das diferenças, poderíamos evitar muitos absurdos que existem por aí.

Outra característica deste crescimento é que muitas vezes as pessoas têm se aproximado de Jesus em busca do suprimento de alguma necessidade. Esta é uma realidade do nosso país, carente de justiça social, de relacionamentos familiares saudáveis, com vidas desestruturadas por tantos motivos. As pessoas vão a Cristo pedindo um socorro e este deveria ser apenas o primeiro passo. Depois, nossas igrejas deveriam aprofundá-las no ensino do que é uma vida verdadeiramente cristã, de um seguidor de Jesus. A pessoa nasce de novo, e precisa dar o segundo, o terceiro passo. Sair da superficialidade das nossas necessidades e alcançar a maturidade em Cristo. Vem muito mais gente por aí! Precisamos estar preparados como líderes, como membros uns dos outros, para acolher e levar as pessoas mais fundo na vida com Deus.

Esse crescimento seria resultado de uma maior flexibilidade da igreja evangélica, sobre diversos assuntos?

Pode ser que sim, pois em algumas cidades que visitei onde só existia um tipo de denominação evangélica, cheia de proibições do tipo: "não pode jogar bola, não pode isso ou aquilo", o que encontrei foi um grande número de "desviados". Pessoas que um dia frequentaram a Igreja, mas saíram e não querem mais voltar por causa do legalismo, que é simplesmente a obediência externa às regras, e, não o relacionamento com a pessoa de Jesus. Às vezes penso (e posso estar errada nisso) que essas pessoas não tiveram um encontro com Cristo, porque o encontro com Ele é sempre libertador! Elas devem ter se encontrado com sistemas humanos que as marcaram negativamente, e acham que Deus também é assim, castigador, pronto a condenar nossos pequenos "deslizes". O acesso a Igrejas que sejam menos apegadas à obediência externa a regras facilita a conversão de muitas pessoas.

É claro que não podemos abrir mão daquilo que é essência, dos valores do Cristianismo que Jesus ensinou, e que não podem faltar na vida de quem se intitula cristão. Valores como verdade, honestidade, fidelidade, bondade, generosidade, amor ao próximo, fazem parte dessa essência. O que está ao redor disso é periférico e pode mudar de acordo com a cultura, com o contexto das gerações. Forma de culto muda, mas a essência não. Os sons, os ritmos, os estilos musicais mudam, mas a essência de quem adoramos, não. O modo de vestir muda, mas a essência de ser decente não. É difícil uma geração aceitar as mudanças que a próxima vai trazer, mas, guardando a essência, podemos mudar sem medo. A maioria das igrejas evangélicas têm-se aberto para mudanças e isso atrai as pessoas.

Enquanto os evangélicos no Brasil crescem, vemos que existem ainda muitos locais no mundo onde a Palavra de Deus não é conhecida ou nem pode ser pronunciada. Como os brasileiros podem ajudar estas nações?

O Brasil é um dos melhores países para enviar missionários! Somos um povo flexível, de fácil adaptação cultural. Somos bem-vindos e podemos entrar em lugares muito fechados para outras nacionalidades. Somos vistos com carinho, como pessoas alegres, humildes, não arrogantes, de fácil relacionamento. Somos o país do futebol, esporte amado no mundo inteiro. É só vestir uma camisa da Seleção Brasileira que encontramos o favor dos agentes de imigração onde quer que formos. Além disso, o crescimento da Igreja Evangélica brasileira tem possibilitado um investimento financeiro cada vez maior no treinamento e envio de missionários. A Igreja brasileira tem muito para compartilhar com outras nações daquilo que Deus tem feito na nossa história, encorajando outros onde a Igreja é perseguida, é minoria e ainda não tem o espaço que conquistamos. Tenho viajado muito para fora do Brasil, e sei que outros ministérios de louvor e pregadores brasileiros têm sido enviados também para abençoar outros povos com o testemunho e a unção que Deus tem nos dado aqui.

Comparando a saúde espiritual com a saúde física, podemos dizer que a igreja tem muitos obstetras e poucos pediatras; como fazer para mudar isso?

É isso mesmo! Uma grande vitória é ver alguém nascer de novo, mas depois precisamos acompanhar esses "bebês espirituais". Jesus nos disse que era para fazermos discípulos de todas as nações, ensinando-os a guardar aquilo que Ele nos ensinou. Ou seja, fazer discípulos e ensiná-los a guardar os mandamentos de Jesus é caminhar junto, é mostrar com a vida, com a convivência, com o estudo da Palavra, com uma vida de oração comunitária, o que é seguir a Cristo. É muito mais do que fazer um apelo num culto para quem quer se converter. Precisa haver uma conexão, criação de relacionamentos, onde seja possível esse discipulado. A Igreja brasileira tem tentado vários modelos para alcançar isso, e muitas vezes tem sido bem-sucedida. É maravilhoso ganhar alguém para Jesus e depois ver esta pessoa envolvida na Igreja, crescendo espiritualmente, sendo tratada, curada, amadurecendo e se tornando também uma ganhadora de almas que faz discípulos.

Neste contexto, nos dias de hoje dizer que é ‘evangélico' virou moda. Quem somos nós para julgar, mas o que vemos é que há muito burburinho e pouco testemunho...

Precisamos ter mais cuidado, por exemplo, para não expor em nossos púlpitos pessoas que acabaram de se converter e que ainda não têm a experiência necessária com Cristo para ensinar outros. É preciso um tempo para ter a fé provada, fazer as renúncias necessárias para seguir Jesus. O caminho continua apertado e estreito, e precisamos ensinar isso. Testemunhar conversão deve ser feito por alguém que realmente andava em um caminho, em uma direção, e mudou de rumo, mudou a vida.

O Diante do Trono grava o seu 13º CD, Aleluia, desta vez em Barretos, São Paulo. Qual é o tema central e o que ele tem de diferente dos outros?

O tema central desta gravação é que precisamos escolher louvar em toda e qualquer situação. O nome do CD, "Aleluia", é uma expressão que muitas vezes repetimos sem entender o seu significado. Aleluia é um comando: Louvado seja o Senhor! E é fácil louvar quando tudo está bem. É fácil louvar no culto, quando todos cantam junto com a gente. Temos que escolher abrir a boca e dar "aleluia" no nosso dia a dia, quando não sentimos vontade, quando o natural seria reclamar, se entristecer e se calar. Escolher louvar é nosso desafio. Deus quer uma adoração completa, que não se restringe a locais ou momentos de hora marcada. O lugar de louvar é todo lugar. O altar é nosso coração, e ele deve estar cheio de louvor. O apóstolo Paulo nos ensina a nos enchermos do Espírito falando Salmos, entoando hinos e cânticos espirituais, louvando a Deus de coração, ou em outra versão, fazendo melodia em nossos corações. Mesmo que as circunstâncias sejam contrárias, podemos olhar para o nosso maravilhoso Deus, e Ele é sempre digno de ser adorado. Nele encontramos a inspiração para louvar em todo tempo.

Por que gravar em Barretos?

Há alguns anos tenho percebido que Deus quer nos levar aos lugares onde acontecem as grandes festas do Brasil, para ali fazermos festa para o nosso Deus! Ele é entronizado nos louvores do Seu povo, e assim declaramos "venha a nós o Teu reino!". Declaramos que Seu nome está acima de todo nome, e que só Jesus é digno de ser adorado! Barretos é a sede de uma das maiores festas do país e do mundo. Ali fica a grande arena da Festa do Peão de Boiadeiro. Quando recebemos o convite do Conselho de Pastores e da Prefeitura de Barretos para irmos ministrar ali, percebemos a grandeza desta oportunidade. Não estamos indo apenas para ministrar para aquela cidade ou região, mas, com o evento da gravação, a Igreja do Brasil foi mobilizada e muitas caravanas estão indo para adorar e orar ali. Muita gente se juntou a nós nos propósitos de consagração, jejum e intercessão, e cremos que o Brasil vai sendo sarado à medida que a Igreja, unida e reunida, adora ao Senhor.

Nesses 13 anos de Diante do Trono, quais foram as maiores mudanças, principalmente no que tange ao comportamento do público?

No começo, lidávamos muito mais com os fãs. Hoje, as pessoas estão mais conscientes de que acontecem os "shows gospel", mas também de que nossa motivação é diferente dos shows seculares que elas costumavam frequentar. Outra mudança nesses anos foi devida ao próprio crescimento dos evangélicos no país. Hoje é comum termos eventos gospel patrocinados pelas prefeituras, que possuem verbas para eventos culturais. Somos reconhecidos como parte importante da cultura, e nossos eventos podem alcançar a todos, com entrada franca.

Você e seu marido Gustavo partiram em 2009 para os Estados Unidos. Como está sendo esse momento na sua vida?

Queremos envelhecer e no final da nossa vida olhar nos olhos e dizer: "Fizemos tudo para realizar os sonhos um do outro". O Gustavo é meu grande apoiador, sempre me encorajando a cumprir os sonhos que Deus colocou no meu coração. Sei que não são muitos os homens que seriam capazes de viver e apoiar uma mulher com tanta evidência como eu. Ele lida bem com isso e me encoraja, me protege. Por isso, chegou o tempo de eu estar com ele para realizarmos um de nossos sonhos, que eram os estudos dele. Ele é muito inteligente, tem dois cursos superiores, é advogado e pastor. Começou duas vezes a fazer uma pós-graduação, mas a rotina no Brasil é muito intensa para nós, e não conseguiu continuar. Nas nossas férias, sempre conversávamos sobre o que faríamos se tivéssemos outra oportunidade de vida. Sonhávamos juntos em parar tudo e passar um tempo fora do Brasil, só nós e nossos filhos, e que nesse tempo ele pudesse estudar, e eu, ficar em casa. Achávamos que era impossível, mas Deus foi confirmando e chegou o tempo. Estamos vivendo esse sonho. Às vezes, precisamos lembrar uns aos outros do que Deus fez e falou para que estivéssemos ali, fora do Brasil, pois sentimos muita saudade. O mais difícil é ficar longe das pessoas que amamos e que nos fazem ter aquele senso de pertencimento. Ali, muitas vezes me sinto só e sem "pertencer". Mas o tempo vai chegar quando vamos voltar para casa, no Brasil, e tenho tentado "curtir" esta estação de nossas vidas.

Como tem sido para você ministrar em tantos países nos últimos tempos?

Não tenho ficado parada, como muitos pensam - e até eu gostaria de vez em quando! (risos). Tenho viajado muito pelo mundo afora, e tenho que levar meus dois filhos a tiracolo. Quando vou para outros países ministrar, eu sinto que estou vivendo o cumprimento de promessas de Deus para minha vida, desde a minha infância. É maravilhoso, ainda que seja trabalhoso! Horas e horas em aeroportos, avião, imigração, mas vale à pena. Tenho visto culturas tão diferentes adorarem a Deus com intensidade e sem barreiras. Somos uma família e Deus está Se movendo em toda a Terra. Amo ver isso e aprendo com meus irmãos por onde eu vou. E eles amam ouvir e ver um pouco do que Deus tem feito em nosso Brasil. Acho que isso tem sido um ponto forte por onde passo: compartilhar o testemunho do Brasil para encorajar a Igreja nas nações.

Hoje muitas ideologias e metodologias nascidas nos Estados Unidos vêm influenciando a igreja no Brasil. Como você avalia esse fato?

Os EUA são uma referência de país protestante e de lá vêm muitas das músicas que cantamos, ensinos que lemos em livros traduzidos, preletores etc. É um país rico e a Igreja tem recursos financeiros para produzir material de qualidade. É claro que a Igreja norte-americana tem muitos problemas e defeitos e, como sempre, precisamos filtrar e ter cautela para não nos abrirmos para tudo o que se diz e faz. Mas tenho aprendido a reconhecer suas qualidades. Eles são generosos, ofertam e sustentam ministérios e missões não apenas no seu próprio país, mas em todo o mundo. São muito organizados. Fazem tudo muito bem feito. Tenho encontrado irmãos e ministérios que são intensamente comprometidos com Deus e que me inspiram bastante. Acima de tudo, tenho sido impactada pela adoração nas Igrejas ali. Suas letras, em celebrações ou introspecções, exaltam o Senhor. Os cânticos que fazem mais sucesso lá são de adoração profunda. Eles amam cantar a Palavra, e declarar que nosso Deus é lindo, santo, todo-poderoso. Eles encontram força e consolo olhando para Ele.

Como analisa as diferenças e os pontos em comuns entre a igreja americana e a brasileira?

Existem coisas semelhantes nas nossas Igrejas, mas culturalmente o norte-americano é mais frio, mais reservado. Na maioria dos nossos cultos no Brasil somos mais extrovertidos e agitados. Sem contar os cultos dos negros lá, que são mais barulhentos como nós (risos). Essa também é uma grande diferença entre nosso país e os EUA. Aqui, não conheço igrejas de brancos ou igrejas de negros. Estamos todos misturados e isso é muito bonito. Lá, ainda lutam contra uma segregação racial que acontece até na Igreja. Existe comunhão e respeito, e pastores e cantores negros e brancos se encontram em congressos etc. Mas existem poucas igrejas em que as raças estão misturadas. A maioria é bem homogênea, com brancos congregando entre si e negros congregando entre si. A Igreja latina também fica isolada. Como família, nos sentimos mais à vontade frequentando uma igreja em que as raças se misturam, que se parece bastante com a nossa Igreja no Brasil. Tenho visto muitos movimentos da Igreja norte-americana engajando os cristãos em protestos políticos, e acho isso maravilhoso.

Eles vão às ruas mesmo, lutando contra leis como a do aborto. Podemos aprender com eles nisso também. Na minha opinião, isso não significa que os cristãos norte-americanos estejam certos em apoiar um candidato só porque ele é anti-aborto, mas por outro lado é a favor de guerras pelo mundo a fora. Mas, admiro o engajamento deles, eles têm influenciando e feito sua voz ser ouvida na sociedade civil.

Como foi renunciar a muitas coisas em sua vida, inclusive à sua faculdade, para poder responder ao chamado de Deus?

Minha família reconhecia o chamado de Deus em minha vida e me apoiou quando decidi renunciar à carreira de Direito. Eu queria fazer o bem, e lembro-me de ler em Provérbios 31 que eu deveria erguer a minha voz em favor do oprimido, defender o direito do necessitado. Acho que interpretei errado (risos). Deus me deu o dom da música e Ele estava me chamando para erguer a minha voz literalmente! Quando tranquei a matrícula na faculdade e fui para o seminário, senti que estava no caminho certo para o cumprimento dos propósitos de Deus para minha vida. Eu não sabia o que viria pela frente. Não imaginava a dimensão que Deus daria à minha voz. Fiz tudo passo a passo, seguindo o que cria ser a direção de Deus, e minha família me apoiou em cada momento, mesmo os de incerteza. Valeu a pena, e faria de novo. Além de cantar em favor de muitas causas importantes, com os recursos financeiros que Deus tem me dado tenho podido ajudar vidas necessitadas e oprimidas aqui e na Índia, por exemplo, onde mantemos um trabalho de recuperação de meninas, que antes estavam na prostituição. Deus é poderoso para fazer sempre infinitamente mais, além de tudo quanto pedimos ou pensamos, não é mesmo?

Sendo uma pessoa pública, a mídia constantemente observa suas atitudes. Como avalia esta exposição da sua pessoa e as críticas quanto ao seu ministério?

Quanto mais influência, menos privacidade. Existe um preço a pagar quando tudo o que falamos é ouvido por muitas pessoas. Tenho que estar preparada para as críticas. Nós, seres humanos, gostaríamos de ser aceitos e admirados por todos, mas isso é impossível. Eu procuro não ler o que dizem contra mim ou, se leio, não deixar cair no meu coração, a não ser que seja uma crítica construtiva. Se alguém falar algo com a intenção de me melhorar estou aberta para isso. Mas quem me critica para me destruir, eu não considero. Tem gente que, ao invés de me procurar para me ajudar, faz carreira de crítico negativo, se promovendo ao falar mal dos outros. Esse tipo de gente, por mais inteligente que seja, não merece ser ouvida.

O que você aprendeu de mais importante até o momento com esta experiência no exterior?

Tenho aprendido muitas coisas nos pequenos momentos do meu dia a dia. Mas, se posso citar uma delas, acho que dou mais valor às pessoas. Quando venho ao Brasil, valorizo mais quando uma pessoa se aproxima de mim. Eu acho que meu ministério começou cedo e fui rapidamente exposta às multidões. Não foi fácil lidar com toda essa exposição. Isso me fechou. Agora, meu coração está mais amolecido, mais curado, e aprecio melhor cada oportunidade de olhar nos olhos de alguém, sem medo, mas vendo cada encontro como um privilégio. Deus tem aberto os corações das pessoas para mim, e isso é maravilhoso! Quero vencer a cada dia mais as minhas barreiras no meu contato com o próximo.

Entrevista: Revista Comunhão

Fonte: www.guiame.com.br

Por: Revista Comunhão

Comentários


juliana - 26/10/2010 0:00:00

parabéms Ana Paula valadão vc mereci

juliana - 26/10/2010 0:00:00

parabéms ana vc mereci

Ricardo - 12/06/2011 16:34:17

Queria entender por que você cortou o seu cabelo. Era um cabelo tão bonito. O que te levou a mudar seu visual?
Quero tambem lhe parabenizar pelo seu ministério infantiu, compro todos os seus dvd`s para minha filha de 03 anos. Um grande abraço e Deus te abençoe.

OLIVIA - 29/10/2011 15:21:13

parabéns minha irma DEUS te abençoe no seu ministerio

ivens - 07/02/2012 18:45:51

você e muito especial para Deus que ele possa te abençoa cada vez mais você mereci pelo seu ministério

pedro - 07/02/2012 18:49:04

Que Deus possa cada vez usa você no seu ministério parabens você mereci ana

liaahorta - 09/07/2012 18:16:07

&9829;

eber - 13/11/2012 21:04:01

o seu ministerio tem sido uma bençao em nossa naçao

Bárbara Gabriele Feitosa - 06/12/2012 15:18:56

A Ana é mesmo uma mulher abençoada, árvore frutífera;não só ela, mas toda a equipe da Lagoinha e o DT, principalmente. Posso dizer que tenho visto Deus trabalhar em mim a cada ministração... Espero que Ele abençoe rica e poderosamente, afinal, tem sido referencial em nossa nação tão carente e necessitada por mais de Deus.

ROSIANE - 13/03/2013 21:14:19

ANA VC E MUITO IMPORTANTE NA MINHA,VIDA AGUAS,PURIFICADOURAS,E MINHA VIDA,APRENDI,AMAR VCS.ANA O CD ESPERANÇA FOI O GRANDE MILAGRE NAS NOSSAS VIDAS,VC E UMA BENÇA DE DEUS PARA MIMHA VIDA TI AMOR EM CRISTO JESUS.

cleidvan de santana lima - 17/06/2013 9:40:36

Parabéns vc merece .

Nubya Oliveira - 28/07/2015 15:31:23

Excelente entrevista! A Ana é incrível e conseguimos visualizar Jesus em todas as suas palavras. Precisamos de mais 'Anas' e de pessoas que espalham o amor de Deus pelo mundo, assim.

Você pode selecionar um ou mais smiley face para inserir em seu comentário

Todos os comentários nesta página estão sujeitas aos nossos Termos de Uso e não refletem necessariamente a opinião do Portal Fiel ou dos seus colaboradores. Ajude-nos a acompanhar os comentários que são ilegais, prejudicial, ameaçador, abusivo, vexatório, difamatório, vulgar, obsceno, odioso, ou racial, étnico ou censurável.

Artigos

Para sua edificação
Aspiração ou cobiça? 2015-07-17 14:20:27

Através dos nossos olhos temos a oportunidade de ver tudo o que nos pertence e também tudo

A Tentação de Jesus - Subsídio Para Lição Bíblica 2015-05-21 10:39:43

Satanás intentou frustrar o ministério de Jesus pouco antes do seu início.

O segredo para chegar ao topo 2015-05-21 10:25:54

Podemos até acordar e decidir subir uma montanha, no entanto, sabemos que não é como ir ao

6 passos para o novo nascimento 2015-04-16 11:27:25

Nascer de novo é uma opção dada por Cristo, àqueles que querem recomeçar de maneira difere

Copyright © Portal Fiel - Gospel | Teresina | Piauí - Todos os Direitos Reservados

 

As imagens utilizadas neste site são frutos de pesquisas na internet, e podem possuir direitos autorais. Caso seja o autor de alguma imagem e gostaria de ter seu nome incluído ou mesmo não permitir o uso da imagem entre em contato com o site.